sexta-feira, janeiro 24, 2014

É janeiro

Gosto de janeiro. Seu gosto de começo, suas possibilidades, sua proposta de esperança. Seus dias de sol, suas dias chuva, seus dias sol e chuva.
Sou tomada por uma vontade de fazer, uma vontade de viver, uma vontade de acontecer.
Faço planos em janeiro. Verifico minha lista de pendências. Me permito mudar. Renovo meus sonhos. Reitero minhas vontades. Arrumo meu guarda-roupas. Me despeço do que não cabe mais.
Encapo cadernos, folheio as páginas dos livros novos, leio. Escuto a brisa, escuto a chuva, escuto os trovões. Tenho medo. Afugento o medo.
Gosto da cidade vazia em janeiro, de sentir que ela é mais minha.
Gosto de sair de férias. E de voltar das férias.
Pena que os dias correm apressados, e daqui a pouco janeiro se fará fevereiro.
E meu tempo terá ficado para trás.
Preciso andar.

terça-feira, abril 23, 2013

Noite...

Os afazeres são muitos, o tempo é escasso, a energia é finda. Chega a noite, o desejo é lançar-me na cama, debaixo das cobertas, depois de tomar um chocolate quente e me preparar para ler um bom livro. Às vezes tento. Depois de tomar um banho corrido, pegar um no colo, depois o outro, dar comida, brincar um pouco, repassar dever da mais velha, verificar a geladeira, fazer a lista de atividades do dia seguinte, ninar, colocar para dormir, preparar o kit mamadeira da noite, apagar as luzes, colocar o celular prá carregar, escovar os dentes, finalmente deito e pego um livro.
Na segunda página não sei mais onde estou, não sustento o imenso peso das pálpebras. Me entrego. Até o próximo choro de madrugada.

sábado, março 09, 2013

Sobre o Dia Internacional da Mulher - Homenagem do Correio Braziliense - 8 de março de 2013.

Na ediçao de 8 de março do Correio Braziliense, uma página inteira (a 29) de homenagem as mulheres.

Dizia assim:


"Nas ciencias, nas artes, no esporte, na politica, na economia, na cidade, no mundo. Qualquer assunto fica mais interessante quando voce estah presente.

Parabens pelo papel que representa na sociedade e pelo espaço que merecidamente conquistou.

08 de março. Dia Internacional da Mulher. Uma homenagem do Correio Braziliense a todas e a cada uma de voces, mulheres."

Obs: no texto havia os acentos, no meu computador eh que estao falhando.

Imagens: 20 fotos de rostos de mulheres sorrindo e duas faces parciais - olhos e nariz.

Questoes:

1) Sobre as imagens: todas sao mulheres bonitas, rostos delgados, cabelos modelados, a maioria bem jovens, três delas mais velhas, talvez na faixa ainda dos 50.

- Cadê as velhas, bem velhas? Cadê as feias? Cadê as gordas? Cadê as despenteadas pela dura rotina da vida? Cadê as com sindrome de Down, as cegas, as com sobranchelhas por fazer? Nao merecem nossa homenagem?

- Das 22, duas sao negras, sendo uma preta e uma parda. Acreditam que coincidentemente estão nas duas unicas fotos pequenas da página? Todas as duas tem o cabelo bem curtinho. Nada de uma exuberante e bela cabeleira negra. Nossas negras nao são cerca de 50% das brasileiras? Nao mereciam metade das fotos? Nao mereciam mais espaço??

2) Sobre o texto. Tantas coisas em tao poucas palavras...  

- Primeiramente eles citam alguns campos de atuação: 'ciencia, artes, esporte, política, economia'. E por fim, dois espaços: "na cidade, no mundo". Cinco campos de trabalho eminentemente masculinos em que há pouco, muito pouco tempo, as mulheres passaram a atuar, mas ainda em extrema desvantagem quanti e qualitativa, ou seja, muito longe de serem protagonistas. As que sao, sao realmente vencedoras, batalhadoras e exceções. Mas por que nao mencionaram os 'locus' em que as mulheres sempre atuaram e marcaram seu espaço: no lar, na educação, no cuidado??? Ah, porque eles não têm importância, não eh mesmo?? Não têm status. Ah, aliás eh por isso que eh tão difícil para as mulheres se empoderarem!  

- Com relação ao espaços, mencionou-se a cidade. Ok, o mundo estah cada vez mais urbano, o Brasil eh 80% urbano, se não me engano. Mas E O CAMPO?? E as mulheres que seguram a enxada, que pelejam sob o sol, que garantem a subsistência de suas famílias, que vivem e morrem dia-a-dia por elas??? Como nao sao citadas? Soh porque nao leem o jornal? Soh porque nao leem??   

- Parabéns pelo papel que representa na sociedade. Que papel??? Papel submisso, papel subalterno, papel coadjuvante???  

- Parabéns 'pelo espaço que merecidamente conquistou'. Sim, estao certos, espaço conquistado. Porém, um espaço que, na teoria, deveria ter sido seu, desde o inicio um espaço compartido. Como ser humano, deveria ter tido o seu espaço reservado, preservado. No entanto, não foi assim. À mulher, por muito tempo, foi negado o seu. À mulher, em muitos locais, ainda eh negado o seu. A mulher ainda tem muito o que conquistar em termos de espaço. Ok, muito hah o que celebrar. Mas é preciso lembrar e ressaltar que muito mais ainda há por ser feito. Merecimento???? Sim, as mulheres MERECEM esse espaço. Foi delas tirado.  

- Por fim, o texto é dirigido a 'voces, mulheres'. Ou seja, fica claro que o Correio eh masculino. Nao se trata apenas de uma cortesia, uma gentileza. Nao eh uma homenagem dos homens do Correio para todas as mulheres, incluindo AS do Correio. Eh uma homenagem "do Correio". E as tantas mulheres que participam do e fazem o Correio Braziliense?? Nao poderiam gentilmente ter sido incluídas tambem como autoras - ou receptoras - da homenagem? Bastava terem escrito: "uma homenagem do CB a todas e a cada uma das mulheres." Assim elas estariam incluidas nos dois lados da mensagem. Mas no detalhe ressaltou-se a verdade. A mulher ainda é o 'segundo sexo'.

- Portanto, Correio, muito bonitinha a homenagem. Longe de ser uma verdadeira homenagem.

sexta-feira, fevereiro 01, 2013

Liberdade de escolha?

As pessoas costumam cobrar e julgar muito umas as outras pelos gestos que exibem e atitudes que tomam. Talvez não se apercebam que apenas algumas escolhas são fruto de ponderação e reflexão, alternativas conscientemente eleitas como melhores diante de outras tantas possibilidades. A maioria delas, no entanto, são apenas o melhor que podemos fazer, ou SÓ o que podemos fazer, com o que foi feito de nós.

O tal do livre arbítrio é, na maioria das vezes e para grande parte das pessoas, apenas uma quimera. Poucos são os realmente livres para escolher como agir, como reagir, como tocar a vida. Geralmente, lá vamos nós sendo levados pela vida, tentando a todo custo nos defender, nos preservar... Seguindo em frente a repetir padrões e buscando caminhos mais confortáveis e seguros, longes de ser os mais felizes, recomendáveis, enriquecedores.

sábado, setembro 15, 2012

15 dias

Você chegou! E agora, dormindo tranquilo em meu colo, aconchegado como se ainda fosse parte de mim, nem parece que foi capaz de causar tanta consternação.

Há quem não entenda, que apegado ao mistério e à beleza da vida, não consiga compreender os dilemas da mulher (ou do homem) frente à uma gravidez indesejada, não planejada, ou fora de hora. Postura essa que não apenas não ajuda, mas acentua a angústia e a culpa comuns numa cena dessas.

Gestar, parir, educar não são ações triviais. Transformam a vida e a existência. Abandona-se um estar no mundo para um outro, bem diferente. Que pressupõe uma nova forma de ser, de agir, de situar-se, de viver. Por isso é tão recomendado que sejam escolhas. Escolhas de coração e mente. Pois um filho necessita de todo amor e razão que um pai seja capaz de fornecer.

Verdade é também que, uma vez o fato consumado, por assim dizer, restam poucas alternativas. Uma delas, a escolhida, é assumir a não escolha e tomá-la como sua. Identificar sentimentos e resistências, compreendê-los e ressignificá-los. Lidar passo-a-passo com cada desafio que a novidade apresenta, buscar o melhor, esperar o melhor.

E foi assim, no meio dessa busca pelo melhor, que você nasceu. Tinha apenas 37 semanas, mas achou que não devia mais esperar. E numa manhã de sexta-feira, após a explêndida lua azul, iniciou seu processo de partida (e chegada), intencionalmente abreviado pela cesariana. Às 14h15 você chorou. Que alívio saber que tudo estava bem. Que delícia ver suas bochechinhas e seu cabelinho preto e farto, como os meus!

Sim, você é meu filho, meu novo amor e, com todo o carinho e dedicação cuidaremos de você! Para que se torne uma pessoa íntegra, feliz, capaz de contribuir positivamente para um mundo melhor e que saiba viver plena e intensamente a vida que escolher. Estou convicta que foi para isso que veio.

A palavra

E a palavra fez-se verso
criou vidas e formas
transformou ideias
ampliou caminhos.

Sentindo-se livre,
ganhou o mundo.

E conheceu inimigos.

Pois há quem não suporte o verso livre,
o pensamento solto, o diverso, a dúvida,
as múltiplas possibilidades.

E quiseram prender a palavra
e matar o verso
e impedir a fala
e limitar o ser.

Mas a palavra reinventa caminhos
e renasce o verso
e liberta a fala
e transcende o ser.

quarta-feira, agosto 22, 2012

Quase 36 semanas

Essa espera aparentemente longa vai chegando ao seu fim. Daqui a algumas semanas você deve estar se juntando a nós num novo tipo de contato – de cara para o mundo. Conheceremos seu rostinho, poderemos carregá-lo, ouviremos seu choro. Estamos nos preparando para sua chegada. Reorganizando espaços, expectativas e tempos. A barriga pesada do final da gravidez vai me forçando naturalmente a desacelerar, a sair do ritmo da vida moderna e urbana, e entrar na cadência da pequena vida que requer cuidado, atenção, vagareza.

No começo, você apareceu como susto, espanto. Um ponto fora da curva estatística. Uma exceção, uma provocação às probabilidades. Decidido, virou-me do avesso. Encontrou fortes aliados. Como a irmã maior que há tempos ansiava sua presença.

Lentamente tive que me acostumar à ideia. Lentamente comecei a gostar...

Agora te abraço em meu ventre. Curto o momento em que está em mim. Sei que em breve partirá. Nossa relação mudará. O abraço deixará de ser exclusivamente meu. Você conhecerá outros braços, e sorrisos, e cores. O mundo se revelará fascinante a seus olhos, ouvidos e mãos. Você experimentará infindáveis e indescritíveis sensações. Não se lembrará desse início, nem sentirá falta disso (que bom!). Mas eu sentirei sua falta em mim!

Quando você chegar, saiba que estivemos te aguardando e que estaremos prontos para te amar. Intensamente!